Heidegger e suas referências

Buzzi (IP) – a questão do ser

4 dias 22 horas ago

BUZZI, A. Introdução ao pensar. Petrópolis: Vozes, 1973, p. 5-11
Neste inspirado prefácio que extraímos desta obra de quase cinquenta anos, o filósofo e frade franciscano, apresenta o pensar filosófico em termos e expressões que expõem sua maestria neste campo, desenvolvendo de maneira até poética o trato da "questão do ser", na sombra de Martin Heidegger. Lamentavelmente este prefácio não se encontra mais nas últimas edições de sua obra.
Introdução ao pensar é o título do livro que o leitor tem em (...)

- Reflexões / , , , ,
Cardoso de Castro

Wasserstrom: Heidegger – Scholem, Eliade e Corbin

4 dias 22 horas ago

Wasserstrom, Steven. A Religião além da Religião: Diálogos entre Gershom Scholem, Mircea Eliade e Henry Corbin em Eranos. Tr. Dimas David Santos Silva. São Paulo: Triom Editora, 2012
Heidegger e Henry Corbin
Martin Heidegger representa um importante elo, ainda que até agora não estudado, entre os historiadores das religiões. Corbin foi o primeiro tradutor francês de Heidegger, com quem ele se encontrou mais do que uma vez na Alemanha nos anos trinta. Em 1968 ele procurou diminuir o impacto (...)

- Reflexões /
Cardoso de Castro

Mac Dowell: A fundamentação da metafísica através da fenomenologia da vida do espírito

4 dias 22 horas ago

MAC DOWELL, João A.. A Gênese da Ontologia Fundamental de Martin Heidegger. São Paulo: Edições Loyola, 1993, p. 125-138
Ao radicalizar o método fenomenológico, Heidegger não visava senão adquirir um instrumento apto para a análise da historicidade, própria da vida da consciência. Tal fora a tarefa, prevista no seu programa, como meio para a restauração da metafísica. A indagação de Heidegger é coroada de êxito, enquanto ele descobre na “existencialidade” a perspectiva autêntica, que há de dirigir a (...)

- Reflexões / , , , ,
Cardoso de Castro

Blattner: compreensão e capacidade

1 mês ago

Blattner, William D.. Heidegger's temporal idealism. Cambridge: Cambridge University Press, 1999, p. 33-36
In fact, the word “understanding” has a number of closely related meanings. We use it principally in two ways: to describe a cognitive stance or propositional attitude toward a content, such as when we say, “I understand the Existentiality Thesis,” and to describe a sort of ability we have, as when we say, “I understand the Germans.” In the latter statement we [34] express the idea not that (...)

- Reflexões / , , , ,
Cardoso de Castro

GA6T1:1-49 – Citações de Nietzsche

1 mês 2 semanas ago

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche I. Tr. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010, p. 1-49
Citações de Nietzsche na obra GA6.1 na tradução em volume único de Marco Casanova (paginação do volume único):
“Não quero persuadir ninguém a fazer filosofia: é necessário, talvez mesmo desejável, que o filósofo permaneça uma planta rara. Nada me é mais repulsivo do que o elogio pedagógico da filosofia, tal como o encontramos em Sêneca ou, pior, em Cícero. Filosofia tem pouco a ver com virtude. (...)

- Gesamtausgabe / , , , , , ,
Cardoso de Castro
Checked
1 hora 4 minutos ago
Heidegger e suas referências
Responsáveis: João Cardoso de Castro (doutor Bioética - UFRJ) e Murilo Cardoso de Castro (doutor Filosofia - UFRJ)
Inscrever-se em feed Heidegger e suas referências