Ciência

Será a ciência [Wissenschaft], apenas, um conjunto de poderes humanos, alçado a uma dominação planetária, onde seria ainda admissível pensar que a vontade humana ou a decisão de alguma comissão pudesse um dia desmontá-lo? Ou será que nela impera um destino superior? Será que algo mais do que um simples querer conhecer da parte do homem rege a ciência? É o que realmente acontece. Impera uma outra coisa. Mas esta outra coisa se esconde de nós, enquanto ficarmos presos às representações habituais da ciência.

Esta outra coisa consiste numa conjuntura [Sachverhalt] que atravessa e rege todas as ciências, embora lhes permaneça encoberta. Somente uma clareza suficiente, sobre o que é a ciência, será capaz de nos fazer ver esta conjuntura. Mas como poderemos alcançá-la? A forma mais segura parece ser uma descrição da atividade científica atual. Uma tal exposição poderia mostrar como, de há muito, as ciências se encaixam, de maneira sempre mais decidida e ao mesmo tempo cada vez menos perceptível, em todas as formas da vida moderna: na indústria, na economia, no ensino, na política, na guerra, na comunicação e publicidade de todo tipo. É importante conhecer este enquadramento. Todavia, para se poder apresentá-lo, devemos já saber em que repousa a essência da ciência. Pode-se dizê-lo numa frase concisa: "a ciência é a teoria do real". (Heidegger, Ciência e pensamento do sentido)

O mito Galileu

Na mitologia da modernidade, o processo de Galileu constitui um dos mitos poderosos. Este processo em sua versão mítica, assinalaria um momento de inflexão na história do mundo, um momento em que um espírito independente se levantou face às forças das trevas. Há tão pouca verdade nesta imagem quanto no relato das experiências de Galileu na Torre de Pisa. Um dos melhores historiadores da atualidade (Pietro Redondi) fala da “proteção espetacular que o Papa Urbano VIII aportou a Galileu” (apud Marejko, 1989).

Heidegger (QT): A técnica é uma forma de desencobrimento

1) "A técnica é uma forma de desencobrimento." Falar de técnica é, portanto falar de verdade, aletheia.

2) A técnica em sua origem grega diz mais do que o fazer na habilidade artesanal, refere-se também ao fazer nas belas-artes. "A techne pertence à pro-dução, a poiesis, é portanto, algo poético.

3) Até o tempo de Platão techne e episteme ocorrem juntas no sentido mais amplo de conhecimento.

4) "O conhecimento provoca abertura. Abrindo, o conhecimento é um desencobrimento."

Moral e Ciência

Excertos de Henri Poincaré, Dernieres Pensées, 1924, pp. 223-247.

Esta ciência dos costumes não é uma moral; nem o será jamais; não pode substituir-se à moral, como um tratado de fisiologia da digestão não pode fazer as vezes de um bom jantar. [Poincaré]